quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Comentário do dia: Copiando de outro blogue


Li no blogue do jornalista Paulo Henrique Amorim, e transcrevo para o meu blogue:


O seqüestrador de Santo André disse que se entregaria, com as duas moças, se a Polícia aceitasse uma exigência: divulgar uma carta do Promotor, em que ele se comprometia a pedir uma pena leve, por entender que o seqüestrador vivia uma situação difícil.


A exigência incluía que a divulgação da carta fosse feita através do apresentador da Rede Record, Reinaldo Gottino, que cobriu o seqüestro desde o primeiro momento. . Gottino entrou em contato com os comandantes da PM na operação – Ricardo e Felix – e os dois concordaram: Gottino podia ler a carta do Promotor, porque isso poderia levar ao fim do seqüestro.


A repórter da Record Letícia Gil, de fato, leu a carta do promotor, em primeira mão, naquela tarde de sexta-feira trágica.


A partir de agora, passo a divulgar informações não confirmadas, mas de fontes em que confio:
. O seqüestrador teria dito aos policiais que, lida a carta, ele se entregaria.
. O seqüestrador, porém, disse que só se entregaria se o Gottino saísse com ele e as moças do apartamento.
. Os comandantes da operação consultaram o Governador José Serra.
. José Serra disse que não aceitava aquela condição.
. O Conversa Afiada espera que o Governo do Estado esclareça se, de fato, uma equipe da Record – e não da Globo - poderia ter dado fim ao seqüestro.
. E se fosse uma equipe da Globo ?
. Essa é uma das questões sinistras que ficam em suspenso, nessa incompetente tentativa da PM de São Paulo de resolver um seqüestro: como é que se deixa um seqüestrador acompanhar dentro do apartamento o que as emissoras de televisão dizem dele, do lado de fora ?
Comente e debata sobre o assunto.


Postar um comentário