terça-feira, 22 de maio de 2007

Greve dos professores da UERN

Um verdadeiro teste de paciência. Até o momento, nenhuma novidade sobre a paralisação dos professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, quanto ao atendimento das reivindicações da categoria. Eles continuam se reunindo semanalmente para debater os problemas da UERN e realizando ações nos campus avançados e em Mossoró.
O governo do estado ainda não sinalizou positivamente a atender o pagamento do retroativo de maio do ano passado a abril deste ano e o plano de cargos e carreiras e salários. O reitor Milton Marques afirmou na imprensa local que a reitoria da UERN solucionará os problemas que dependerem da competência da reitoria. Amanhã, tem uma reunião marcada como secretário de Serviços Públicos Urbanos, Alex Moacir, para fazer encaminhamentos e definições sobre a questão dos transportes públicos na UERN.
Os alunos também estão em greve, porém, a participação não é maciça e não provoca movimentações siginifcantes nos últimos dias. No começo da greve dos discentes, a empolgação foi em massa, cerca de mil alunos reuniram-se no ginásio de esportes da UERN para votarem em favor da paralisação. Na último manisfesto dos alunos na Cobal, apenas oito compareceram. Será que a greve dos alunos não tem força? Ou é um fogo de palha que acendeu e logo apagou? Não acredito nisso. Parte dos alunos não mora na cidade e não pode participar das manifestações, outros tem como justificativa a sua atividade extra-academia (trabalho, estágio, atividades de extensão), e alguns não concordam com o movimento. A verdade é que não é fácil manter um movimento grevista com alunos diante dessas situações e de uma falta de consciência política e de cidadania.
Apesar do caráter radical dos alunos da USP, eles mantém o movimento e conseguem pressionar a universidade e o governo. Outro exemplo, é dos alunos do curso de comunicação da UERN que fizeram greve por infra-estrutura e laboratórios para aulas práticas e aos poucos as reivindicações estão sendo atendidas.
Bem esta é minha opinião, comentem.
Postar um comentário